Artigo: Entenda a dor Ciática (Isquiática)

Compartilhe esta notícia:

Por: Arthur Micheloni*

O nervo ciático é o maior nervo do corpo humano. Ele se origina de diversas raízes nervosas que saem do final da coluna lombar. É responsável pela sensibilidade e função motora dos membros inferiores.

As dores nas costas e a ciatalgia têm uma de incidência de 13% e aproximadamente mais de 60% da população relata uma queixa desse tipo de dor.

Como é o nervo responsável pela inervação dos membros inferiores, a dor pode se manifestar com um incômodo na região lombar, descendo até os glúteos, seguindo para a parte lateral da coxa, perna e pé.

Pode manifestar em ambos os membros inferiores e muitas vezes, levando a limitação dos movimentos.

A dor é causada por compressão ou irritação do nervo ciático. A causa pode ser por vários motivos, tais como uma estenose lombar (um estreitamento do canal), uma espondilolistese (deslizamento de uma ou mais vértebras) ou até mesmo uma hérnia discal. Outra causa menos comum de compressão do nervo ciático pode ocorrer quando ele passa pelo músculo piriforme (quando existe um maior volume desse músculo)

Depois de descobrir a causa da ciatalgia, é necessário entrar com um tratamento para corrigir o problema. O tratamento consiste em medicação, crioterapia, repouso (se necessário) e fisioterapia. Neste último, visando o alongamento e fortalecimento da musculatura da coluna e das pernas e assim diminuindo os efeitos da dor. É importante reduzir as atividades enquanto a dor é acometida de forma aguda, mas na maioria dos casos o repouso absoluto não é recomendado. Na maioria das vezes, o melhor para a diminuição da dor é entrar com alongamentos para a região acometida.

Ainda existem métodos menos conhecidos (porém com uma excelente eficácia) utilizado pela fisioterapia, tais como a tração, mesa de descompressão, estabilização vertebral, osteopatia e ozonioterapia.

A ciatalgia pode ser prevenida?

Em alguns casos a dor ciática não pode ser prevenida, porém existem diversas atitudes que podem reduzir as chances do sintoma, como a prática de exercícios, evitar o sobrepeso, alongamentos, fortalecimento muscular com orientação respeitando os seus limites, ergonomia no trabalho ou em casa como cadeiras e colchões adequados e sempre evitar carregar pesos de forma inadequada.

* Arthur Micheloni é Fisioterapeuta, pós-graduado em Osteopatia, Ortopedia e Traumatologia e pós-graduando em Fitoterapia, discente e adepto da Medicina Integrativa – e-mail: [email protected]

**Os artigos publicados com assinatura não manifestam a opinião de O Defensor. A publicação corresponde ao propósito de estimular o debate dos problemas nacionais e mundiais e de refletir as distintas tenências do pensamento contemporâneo.

Compartilhe esta notícia: