Especialista alerta: a perda de audição está começando cada vez mais cedo

Ruídos do cotidiano e maus hábitos causam prejuízos à saúde auditiva.

Os especialistas advertem: o ruído em excesso faz mal à saúde e pode ser a causa de problemas auditivos precoces nas novas gerações.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) regulamenta que o ruído em áreas residenciais não ultrapasse os limites de 55 decibéis para o período diurno, das 7h às 20 h; e 50 decibéis para o período noturno, das 20h às 7h da manhã. De acordo com critérios da Organização Mundial de Saúde (OMS), ruídos constantes acima de 55 decibéis são nocivos. Muitas vezes eles causam, de imediato, incômodo e irritação, mas as consequências podem vir mais tarde, em forma de estresse, problemas cardíacos e perda auditiva.

“A data serve como alerta sobre a responsabilidade que cada indivíduo tem de reduzir a emissão de ruídos em suas atividades diárias. É um problema sério. Já se constata que a perda auditiva está começando a surgir cada vez mais cedo entre moradores de grandes cidades. E o barulho intenso e prolongado pode causar danos cada vez maiores à audição, ao longo da vida”, explica a fonoaudióloga Marcella Vidal, Gerente de Audiologia Corporativo na Telex Soluções Auditivas.

O barulho está por todo lado. Por isso, é importante fazermos a nossa parte. A qualquer hora do dia são obras, trânsito, carros de som, buzinas, sirenes de ambulância, ronco de caminhões, gritos e algazarra em prédios e condomínios, música alta em casa ou no vizinho, TV em alto volume, e outras incontáveis formas de ruído. Na maioria das vezes, não percebemos o risco. É o que acontece quando aumentamos o volume da música que ouvimos nos fones de ouvido durante a caminhada ou no trajeto para o trabalho.

Foto: istock

E a ideia de que nos acostumamos com o barulho é um mito. Mesmo quando acreditamos que ele não incomoda, biologicamente continua a nos fazer mal. “Infelizmente a poluição sonora ainda não é percebida como um mal à saúde. O ruído é um poluente invisível que, contínua e lentamente, agride as pessoas”, lembra a fonoaudióloga.

A Sociedade Brasileira de Otologia estima que entre 30% a 35% das perdas de audição são consequências da exposição a ruídos comuns do dia a dia. São os próprios médicos e fonoaudiólogos que advertem: a juventude deve ter mais consciência quanto aos riscos do som alto e proteger a audição, sob pena de ter dificuldades para ouvir antes de envelhecer.

“Essa geração da tecnologia, que não larga os smartphones e videogames, dependerá mais de aparelhos auditivos no futuro. Isso porque, ao se expor a uma intensidade sonora elevada todos os dias, se arrisca a sofrer danos irreversíveis à audição com o passar do tempo”, conclui Marcella Vidal, ressaltando, contudo, que as consequências não são as mesmas para todos. Variam de acordo com o período de exposição sonora e a predisposição genética de cada um.