Artigo: Endometriose

Compartilhe esta notícia:

Por: Arthur Micheloni*

Todo mês, o útero cria um revestimento interno para aninhar o embrião (óvulo fecundado), grosseiramente falando ‘’cria uma camada para acolher o feto’’, o nome desse revestimento é endométrio. Quando não ocorre uma fecundação (quando a mulher não engravida) esse tecido é descartado, daí vem o processo que chamamos de menstruação (a descamação dessa camada).

A endometriose nada mais é do que uma modificação no funcionamento desse organismo, onde as células desse tecido que reveste o útero (endométrio) não são expulsas totalmente durante a menstruação e ao contrário disso, se movimentam no sentido oposto e caem nos ovários ou na cavidade abdominal, ondem voltam a se multiplicar e sangrar.

A complicação vem, pois, qualquer órgão na cavidade abdominal e bacia podem ser afetados. A endometriose pode provocar um cisto chamado endometrioma, que pode comprometer a capacidade de a mulher engravidar. Bexiga, apêndice, vagina e parte do intestino grosso também podem ser acometidos.

Os sintomas da endometriose são:

  • Dor durante a relação sexual;
  • Cólicas durante o período menstrual tão forte que podem incapacitar a mulher de praticar suas atividades habituais;
  • Fadiga;
  • Diarreia;
  • Dificuldade para engravidar;

Embora seja possível engravidar com endometriose, a doença, sem tratamento, ainda é uma das principais causas da infertilidade feminina. Cerca de 15% a 45% das pacientes com endometriose, de fato, têm dificuldade de engravidar.

O diagnóstico é realizado primeiramente através do exame clínico ginecológico, seguido por confirmações com exames laboratoriais e de imagem, porém o diagnóstico de certeza é realizado através de uma biopsia

As da doença causas ainda não estão bem estabelecidas. Mas sabe-se que a endometriose é uma doença crônica que regride espontaneamente com a menopausa, em razão da queda na produção dos hormônios femininos e fim das menstruações.

O tratamento em mulheres mais jovens podem ser a base de medicamentos que suspendem a menstruações.

As lesões maiores causadas pela endometriose, em geral devem ser removidas cirurgicamente e se a mulher não deseja mais ter filhos, a remoção dos ovários e do útero também é uma forma de tratamento.

É importante salientar a importância das consultas regulares ao ginecologista, a endometriose é uma doença de difícil diagnóstico então a consulta regular ajuda muito para o diagnóstico e prevenção.

* Arthur Micheloni é Fisioterapeuta, pós-graduado em Osteopatia, Ortopedia e Traumatologia, pós-graduando em Fitoterapia, discente e adepto da Medicina Integrativa e graduando em Nutrição – e-mail: [email protected]

**Os artigos publicados com assinatura não manifestam a opinião de O Defensor. A publicação corresponde ao propósito de estimular o debate dos problemas municipais, estaduais, nacionais e mundiais e de refletir as distintas tendências do pensamento contemporâneo.

Compartilhe esta notícia: