Doenças do coração: hipertensão arterial e arritmia cardíaca

Compartilhe esta notícia:

Por: Arthur Micheloni*

Definir os limites para hipertensão arterial é fundamental para prevenção das doenças cardiovasculares.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a hipertensão é uma das principais causa de morte em todo o mundo. Nos Estados Unidos, até 2017, uma em cada três pessoas era hipertensa. Já no Brasil, a hipertensão é responsável por 50% das mortes.

A Associação Americana do Coração e o Colégio Americano de Cardiologia atualizaram os valores da pressão arterial onde, a máxima passou para 13 cm/hg e a mínima para 8 cm/hg, com essa nova regra pacientes que não eram considerados hipertensos e não precisavam tomar remédios, passaram a ter indicação para uso de medicamentos anti-hipertensivos.

Segundo Marcus B. Malachias, Presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão “A hipertensão é uma doença silenciosa com tratamento conhecido, mas que os brasileiros ainda negligenciam por não aderirem ao tratamento quando é diagnosticada, ou por sequer saberem que têm pressão alterada”.

Outra doença do coração são as arritmias cardíacas que podem ser benignas, provocam sintomas desagradáveis como palpitações mas não colocam o paciente sob risco de vida. Já as malignas podem levar à morte súbita rapidamente.

Algumas arritmias podem causar falta de ar, dor no peito, desmaio e até morte súbita sendo que os sintomas mais comuns são as palpitações (batedeira), desmaio e tontura.

A administração de anti-hipertensivos e antiarrítmicos continua sendo tratamento convencional, porém, alguns estudos têm mostrado que a suplementação com magnésio tem desempenhado um papel importante na saúde cardiovascular.

Alimentação saudável e equilibrada pode ajudar na prevenção dessas doenças.

Não tem como evitar arritmia cardíaca sem melhorar os hábitos alimentares. É essencial evitar:  sódio, gordura, fritura e embutidos.

Dê preferência para os alimentos ricos em vitaminas e fibras, como: legumes, frutas, verduras, grãos e proteínas magras.

O ômega-3 é um grande aliado. Ele regula as atividades das plaquetas sanguíneas e reduz os níveis de triglicérides, estabilizando a atividade elétrica do coração. Para obtê-lo, aumente a ingestão de salmão, sardinha, atum, semente de linhaça e nozes.

Tudo isso somado com uma atividade física frequente ajuda a evitar e a melhorar os sintomas de doenças cardíacas.

* Arthur Micheloni é Fisioterapeuta, pós-graduado em Osteopatia, Ortopedia e Traumatologia, pós-graduando em Fitoterapia, discente e adepto da Medicina Integrativa e graduando em Nutrição – e-mail: [email protected]

**Os artigos publicados com assinatura não manifestam a opinião de O Defensor. A publicação corresponde ao propósito de estimular o debate dos problemas nacionais e mundiais e de refletir as distintas tenências do pensamento contemporâneo.

Compartilhe esta notícia: