Paulinho Delgado: “abriremos a caixa-preta na qual foi transformada a Prefeitura de Taquaritinga”

Candidato afirmou ainda que “Com o voto dos taquaritinguenses e a graça de Deus, vamos sim ganhar estas eleições”.

Dando sequência às reportagens de entrevistas com candidatos a prefeito de Taquaritinga nas eleições de 2020, conforme acordo celebrado entre a direção do jornal O Defensor com representantes de partidos/coligações, no início do mês, o entrevistado desta sexta-feira (23) é o ex-prefeito José Paulo Delgado Junior (DEM), que administrou Taquaritinga por oito anos (2005/2012).

Firme e preciso em suas respostas, nas cinco perguntas formuladas pela direção do jornal, Paulinho Delgado, disse, em uma de suas colocações o seguinte: “Com o voto dos taquaritinguenses e a graça de Deus, vamos sim ganhar estas eleições”. Paulinho afirmou ainda que caso for eleito “abriremos a caixa-preta na qual foi transformada a Prefeitura de Taquaritinga”, referindo-se, obviamente, à administração do atual prefeito, Vanderlei José Mársico.

Acompanhe a entrevista:

O Defensor – O senhor foi eleito prefeito de Taquaritinga para o mandato de 2005/2008 e posteriormente reeleito com mais de 70 % dos votos para a gestão 2009/2012. Perante a população o que se escuta é que o senhor fez um excelente primeiro mandato, mas deixou a desejar na segunda gestão! O que faz o senhor acreditar que terá novamente o apoio popular para ganhar o pleito municipal de 15 de novembro?

Paulinho Delgado – Fiz um trabalho que foi referência na região e até no Estado nas duas gestões em que estive à frente da Prefeitura de Taquaritinga. Me orgulho muito disso. A nossa primeira gestão, de 2005 a 2008, pode até ter tido maior visibilidade por conta do grande equacionamento que realizamos nas finanças municipais e nas intervenções que fizemos em toda a cidade e também nos distritos de Guariroba, Jurupema e Vila Negri. Funcionários e fornecedores começaram depois de oito anos a receber em dia e, paralelamente, com uma administração séria e competente, resolvemos problemas que há muitos anos afligiam a nossa população nas mais diferentes áreas. Já na segunda gestão, de 2009 a 2012, além de consolidarmos a normalização econômica do município – só para se ter uma ideia, pagamos mais de R$ 30 milhões de dívidas de administrações anteriores – tivemos as últimas e grandes conquistas mais recentes da história político-administrativa de Taquaritinga. Essas conquistas são inquestionáveis: a instalação por parte do Governo do Estado do AME (Ambulatório Médico de Especialidades), que hoje emprega 105 pessoas, com 20 especialidades médicas e atende a cidade e outros 11 municípios da região; a construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24 Horas); a duplicação da Rodovia Thyrso Micali, a SP-319, desde o trevo da Fatec até a Rodovia Washington Luís; a viabilização e início da construção dos conjuntos de apartamentos da Vila Sargi e da Vila São Sebastião e deixando tudo pronto para a edificação das mais de 400 unidades habitacionais do Jardim do Bosque; a construção das Estações de Tratamento de Esgoto da cidade e dos distritos de Guariroba, Jurupema e Vila Negri; a aquisição do prédio histórico do Cine São Pedro, cuja desapropriação foi 100% paga em nossa administração; a construção, reforma e ampliação de escolas e creches; e outras tantas obras e realizações. Tudo isso ocorreu no segundo mandato. Portanto, foram dois mandatos de grandes realizações para Taquaritinga.

O Defensor – Após o termino de seu segundo mandato como prefeito de Taquaritinga o senhor seguiu para trabalhar na capital paulista, além de um breve período em Brasília. Desta forma, o senhor deixou para traz o dia-a-dia da política municipal, afirmando muitas vezes que não pretendia voltar a ser prefeito de Taquaritinga. O que fez o senhor mudar de ideia?

Paulinho Delgado – Sim, desde que deixei a Prefeitura, em 31 de dezembro de 2012, não mais me envolvi no dia-a-dia da política municipal. Bem diferente do que fizeram comigo, eu nunca critiquei ou sequer opinei sobre a administração de outros prefeitos. Como todos sabem, jamais me locupletei na coisa pública e vivo do meu trabalho. Portanto, foi com honra e satisfação que aceitei o convite para trabalhar em outras esferas governamentais, em Brasília (durante um período mais curto em 2018) e em São Paulo (na maior parte desse tempo). Ganhei experiência e maturidade, construí um relacionamento que poucos têm e voltei inclusive a estudar, fazendo uma graduação de Gestão Pública. Neste período, nunca deixei de residir em Taquaritinga, com a minha família aqui e eu viajando semanalmente, sempre procurando ajudar minha cidade. A diretoria da nossa Santa Casa, por exemplo, é testemunha do que já fiz nestes últimos anos em prol do nosso hospital, mesmo não exercendo qualquer mandato eletivo. Essa bagagem que acumulei na área pública foi um dos fatores preponderantes por me decidir voltar a disputar uma eleição municipal em Taquaritinga. Também contribuiu para isso o fato de ver a minha cidade estar caminhando para o caos econômico, num filme que nós já vimos num passado não tão distante. Enquanto a cidade está sendo maquiada, as contribuições previdenciárias deixaram de ser feitas, os precatórios não estão sendo pagos e as dívidas vão se acumulando. Só neste ano a chamada dívida de curto prazo já ultrapassa os R$ 40 milhões. Isso sem falar no desrespeito ao funcionalismo municipal e às nossas entidades assistenciais, além e principalmente, das seríssimas denúncias de corrupção. Foi, portanto, convencido pelas pessoas de bem da cidade de que a minha história de vida aliada à experiência e maturidadeque ganhei nestes últimos anos eram agora imprescindíveis para o resgate dos valores éticos de Taquaritinga e dos taquaritinguenses. Não poderia, portanto, me acovardar diante desse momento histórico. É uma missão, para a qual tenho a certeza de que Deus vai me abençoar.

O Defensor – Durante sua primeira campanha para prefeito de Taquaritinga o senhor afirmava em seus comícios e em todos os seus pronunciamentos que estava enfrentando as tradicionais famílias que comandavam a política municipal. Hoje, um de seus principais aliados é o ex-prefeito Tato Nunes, presidente do MDB, partido que indica o seu companheiro de chapa, Wadinho Peretti a vice. Essa aliança não vai contra tudo aquilo que o senhor pregou para os seus eleitores no passado?

Paulinho Delgado – Essa aliança vai exatamente ao encontro de tudo aquilo que nós sempre pregamos, bem diferente do que é insinuado nesta indagação. Nós sempre pregamos a honestidade, a seriedade e o respeito com o sagrado dinheiro público. Na minha primeira candidatura a prefeito, em 2004, nós fomos vitoriosos porque combatemos o estado de coisa que naquela época persistia depois de duas gestões de que todos se recordam, e especialmente os servidores públicos municipais de Taquaritinga. Hoje, oito anos depois deixar a Prefeitura, volto a disputar uma eleição por conta da mesma situação catastrófica pela qual passa o nosso município. Com uma diferença básica: agora com 60 anos de idade e sobretudo com a experiência e maturidade que ganhei, sei muito bem quem é quem. Já fui sim adversário do ex-prefeito Tato Nunes, assim também como trabalhei por 16 anos com o ex-prefeito Sérgio Salvagni, integrante do primeiro escalão da administração e da campanha do prefeito Vanderlei Mársico. Conheço hoje a ambos muito bem e posso afiançar que tenho a satisfação de ter como um de meus apoiadores o ex-prefeito Tato, que aqui gera empregos, é cumpridor de seus compromissos e reconhecido pela sua competência e lealdade, além da vida toda contribuir com as boas iniciativas de Taquaritinga. O seu partido, o MDB, além de uma belíssima chapa de candidatos a vereador, me proporcionou o meu companheiro de chapa, o Wadinho Peretti, médico-veterinário dos mais conceituados (não, por acaso, o vereador mais votado nas duas últimas eleições) e um “menino de ouro”, como costumo ouvir dos próprios taquaritinguenses. Hoje, posso assegurar, temos uma verdadeira guerra do bem contra o mal. A comparação é muito clara e a história mostrará tudo isso de maneira mais explícita.

O Defensor – No último pleito municipal a população de Taquaritinga ficou de certa forma espantada com o seu apoio ao então candidato a prefeito Vanderlei Mársico. Tendo em vista que Mársico foi e continua sendo um de seus principais opositores na Cidade.Boa parte de seu grupo político foi trabalhar na gestão Mársico/Coelho da Rocha. Como o senhor avalia essa situação e se este apoio no passado não pode vir prejudicar a sua eleição neste pleito?

Paulinho Delgado – Ao contrário do que está sendo afirmado, eu não apoiei o prefeito Vanderlei Mársico. Ninguém me viu pedindo um único voto para ele em 2016. Estava no momento mais delicado de minha vida, por conta da perseguição que todos sabem que sofri por ter me mantido firme em meus propósitos de honestidade e seriedade (jamais me curvei a qualquer chantagem), e liberei os companheiros de meu partido a apoiarem quem eles quisessem. O DEM, então, apoiou o atual prefeito e alguns de seus quadros compuseram inclusive a atual administração, o que é absolutamente normal em qualquer processo democrático. Evidentemente sou obrigado a reconhecer que, com esta minha decisão, acabei sim facilitando as coisas para a vitória do atual chefe do Executivo Municipal. Erramos. E eu não tenho compromisso com o erro. Tanto que os meus companheiros de verdade deixaram a gestão municipal e todos eles me apoiam de corpo e alma. Todos eles viram muito bem quem é o cidadão Vanderlei Mársico. A população está agora o conhecendo. Aliás, quer conhecer alguém, dê poder a essa pessoa!

O Defensor – No ultimo dia 17 de outubro o semanário Evolução trouxe matéria de um novo pedido de impugnação de sua candidatura. O que o Senhor tem a declarar sobre o assunto? E para finalizar a nossa entrevista se eleito o que a população de Taquaritinga pode esperar da sua gestão?

Paulinho Delgado – O que tenho a declarar é que essa é mais uma demonstração inequívoca do desespero de quem está no poder e já sabe que vai perder a eleição. Jamais voltaria a disputar um pleito eleitoral se tivesse qualquer tipo de pendência jurídica. Sempre disse isso. Fiz um governo honesto e sério, do qual muito me orgulho. Todos aqueles que trabalharam comigo sabem da minha honestidade e da minha lisura. Nada devo e a Justiça me absolveu de todas as falsas acusações que me foram imputadas. Só para esclarecer: publicada por um órgão de imprensa que é de propriedade do Sr. Mário Mársico, que por sua vez é tio do prefeito Vanderlei Mársico, a matéria se reporta a um pedido – apenas um pedido – de impugnação, sem nenhum fundamento jurídico, feito pelo mesmo advogado que sempre me acusou e perdeu todas as ações. O objetivo é muito claro: enganar e causar dúvida na população de nossa cidade. Porém, não tenho mais qualquer tipo de dúvida: com o voto dos taquaritinguenses e a graça de Deus, vamos sim ganhar estas eleições e abriremos a caixa-preta na qual foi transformada a Prefeitura de Taquaritinga, realizando uma gestão transparente, voltada para o bem-estar das pessoas e sobretudo do diálogo. Temos, para isso, o melhor Plano de Governo, sem falsas promessas e com uma proposta clara para a geração de empregos e a melhoria da educação, da saúde, da promoção social, do esporte, da cultura, do setor agrícola e do meio ambiente em Guariroba, Jurupema, Vila Negri e em toda Taquaritinga. Nós já fizemos e estamos preparados, com experiência e maturidade, para fazer muito mais. A comparação é muito clara e todos conhecem a mim e os meus adversários.