Saia justa: Campanha nas ruas pode dar e tirar votos dos candidatos

Caminhadas controladas e muito álcool em gel são alternativas.

A pandemia do novo Coronavírus deixou muitos políticos inseguros quanto à largada da campanha e, de quebra, a sensação de que, se o eleitor já estava distante deles antes da doença entrar em cena, agora piorou ainda mais.

Com isso, a saia justa é geral. Se eles se aventurarem no corpo a corpo com a população, podem terminar com a pecha de negacionistas em relação à pandemia e perder votos. Porém, não fazer campanha de rua deixa aquela sensação de campanha fraca, quase parando, situação que afasta o eleitor, especialmente, em cidades do interior, como Taquaritinga.

Como ainda há um mês pela frente até a eleição, a esperança é a de que a pandemia arrefeça e o eleitor ganhe mais confiança para votar. Por enquanto, a ordem entre os candidatos é apresentar a própria mensagem, usando máscara e álcool em gel.

No geral, os candidatos têm a certeza de que será preciso equilibrar a presença na rua com as mensagens nas redes sociais, que já ganharam mais importância na última eleição e, agora, nessa temporada que mistura campanha com pandemia, caminham para a consagração.