Especialistas falam sobre prevenção ao Câncer de Mama e como cuidar da saúde psicológica durante tratamento

Ginecologista explica o objetivo da campanha Outubro Rosa e a importância da prevenção, assim como do diagnóstico precoce

O Outubro Rosa, que surgiu em 1990, em Nova York, tem o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da prevenção à doença, bem como levar informações importantes ao maior número de pessoas, o que se torna ainda mais necessário no momento atual, visto que 62% das mulheres esperam o fim da pandemia para voltar à rotina de cuidados com a saúde, segundo pesquisa realizada pelo Ibope. “O câncer não espera! Com cuidado e zelo, é possível ir ao médico, se cuidar e manter os exames em dia. O câncer de mama quando diagnosticado em estágio inicial tem altas taxas de cura”, enfatiza Marina Noronha, Médica Ginecologista e professora do curso de Medicina da Estácio.

A especialista explica que é preciso observar os sinais que o corpo apresenta. “A mulher deve fazer o autoexame regularmente e verificar se há a presença de nódulos nas mamas, axilas e pescoço, além de alterações na pele das mamas, mamilo e saída de secreções”, elenca.

O exame preventivo é importante para que a mulher possa identificar o câncer antes dos sintomas se manifestarem e é recomendado pelo Ministério da Saúde que a partir dos 50 anos de idade elas realizem uma mamografia a cada dois anos, além do exame clínico realizado por um profissional da saúde. “A prática regular de atividade física, a alimentação equilibrada, não consumir bebidas alcoólicas e a amamentação são fatores preventivos”, salienta Noronha.

Porém, quando o diagnóstico é positivo, é importante saber que o suporte familiar e psicológico pode ser fundamental no tratamento. Fabrício Otoboni, coordenador do curso de Psicologia do UniToledo, de Araçatuba, explica que a Psicoterapia é uma forte aliada neste momento. “Ter o acompanhamento do psicólogo traz mais clareza para a paciente, que tem muitas dúvidas, ansiedade e incertezas em relação ao futuro. Além disso, também é feito um trabalho com as famílias, para que todos tenham uma visão real do quadro do paciente e consigam passar tranquilidade para quem está em tratamento”, explica o professor.

Marina Noronha, Médica Ginecologista e professora do curso de Medicina da Estácio

Casos especiais

Mulheres que possuem um histórico familiar de câncer, fumantes, obesas, que não se alimentam de forma adequada e que consomem bebida alcoólica de forma abusiva devem dobrar a atenção e os cuidados.

Tratamento

O tratamento para o câncer de mama pode variar de acordo com cada paciente, com a fase da doença e também o tipo de tumor. São muitos os tratamentos que podem ser realizados, como cirurgia, radioterapia, quimioterapia, entre outros.

Suporte Psicológico

A paciente que passa por um tratamento de câncer precisa de um acolhimento especial da família, desde o momento em que recebe o diagnóstico. Além do suporte familiar, contar com a ajuda de um psicólogo ajuda a lidar com a doença com menos angústia e as chances de depressão diminuem.