Artigo: Salò, Sodoma, Pasolini, Bolsonaro

Por: Luís Bassoli*

  • O cineasta italiano Pier Paolo Pasolini foi assassinado, nos anos 70′, logo após concluir seu filme mais icônico – e perturbador: “Salò – ou Os 120 Dias de Sodoma”.
  • Trata-se da adaptação de uma obra de Marquês de Sade, trazida para a Itália fascista da Segunda Guerra. • A síntese: quatro homens poderosos sequestram um grupo de garotos e garotas e os submetem, por 120 dias, a torturas, abusos sexuais, humilhações e até à morte. Seria uma metáfora à dinâmica de poder do capitalismo e suas consequências.
  • O roteiro se divide em três “círculos”: o Círculo das Manias, onde os fascistas satisfazem seus desejos sexuais; o Círculo das Fezes, no qual os jovens são humilhados com escatologia; e o Círculo da Dor, onde os desobedientes são punidos com mutilações, tortura e morte.
  • O antropólogo Pedro Simonard, Mestre pela USP, Doutor pela UERJ e PhD pela Universidade Québec, Canadá, traçou um paralelo da intrigante obra de Pasolini com o bolsonarismo atual.
  • No filme, os quatro poderosos que sequestram, subjugam e torturam os jovens são: um banqueiro, um juiz, um bispo e um nobre.
  • À semelhança do cinema, temos, na política nacional de hoje, os representantes dessas classes:

O banqueiro Paulo Guedes;

O juiz Sérgio Moro;

O bispo Edir Macedo;

E até um “nobre”, o deputado  Luiz Philippe Maria José Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança (do PSL/SP), que se autointitula “príncipe herdeiro” de D. Pedro II (com essa patética lista de nomes e pré-nomes).

Considerando, ainda, que os bolsonaristas se inspiram no nazifascismo alemão e italiano.

  • Os três ciclos do filme, no Brasil bolsonarista, se manifestam simultaneamente:

1.° – O CÍRCULO DAS MANIAS está nas fake news, na mentira como método de criar falsos problemas pra desfocar dos temas fundamentais, como as bobagens “meninos vestem azul, meninas rosa”, “terra plana”, etc.

2.° – O CÍRCULO DAS FEZES  está nas falas grotescas do filósofo-astrólogo Olavo de Carvalho e do próprio presidente – “fazer cocô dia sim, dia não”, “lamber o cu” não sei de quem, etc.

3.° – O CÍRCULO DA DOR está no extermínio das populações negra, indígena e LGBTI – e diria no descaso com os mais de 150 mil brasileiros mortos pela covid-19, a “gripezinha/resfriadinho”.

  • Uma das piores cenas do filme, a de coprofagia, quando os garotos são obrigados a comer fezes, nos remete, especialmente, à fala do presidente de que o brasileiro “pula no esgoto e não acontece nada”. As atitudes do governo avançam à crueldade humana ao celebrar o assassinato de Marielle Franco e venerar o torturador-assassino Ustra; o absurdo da corrupção, imoral, das igrejas de malafaias, macedos e waldomiros; os abusos e autoritarismo da familícia, com suas rachadinhas, depósitos na conta da primeira-dama, etc.
  • Pasolini mirou a decadente cleptocracia do norte da Itália dos anos 40′ e acertou o banditismo miliciano do bolsonarismo atual.
  • E o assassinato de Pasolini, logo após o lançamento do filme, nos remete à Marielle, Teori Zavascki, Bebbiano…
  • A vida a imitar o vídeo?

* Luís Bassoli é advogado e ex-presidente da Câmara Municipal de Taquaritinga (SP).

**Os artigos assinados não representam necessariamente a opinião de O Defensor!