Sobe & Desce – 21 de agosto de 2020

Sobe – Ainda bem que, conforme resolução do TSE – Tribunal Superior Eleitoral – os políticos, candidatos ao pleito municipal de 15 de novembro, estão proibidos de falar em programas municipais nas emissoras de rádio. Em Taquaritinga, segundo a maioria dos eleitores, Deus ouviu nossas preces. Agora, senhor prefeito, só após as eleições, viu?

Desce – A próxima sessão ordinária da Câmara Municipal, provavelmente de forma virtual, acontece somente em 14 de setembro. Uma boa folga aos vereadores, caso o prefeito não solicite nenhuma sessão do tipo extraordinária para aprovação de algum projeto emergencial.

Sobe – A edição online de sexta-feira passada de O Defensor, recheada de ótimas informações, mereceu aplausos por parte dos internautas que acompanham semanalmente as matérias no jornal. Principalmente, as informações publicadas nas colunas e artigos da política taquaritinguense. Nosso muito obrigado a todos.

Desce – Está na hora do prefeito começar a inaugurar alguma obra na cidade. Começa e pára. Começa e pára. Desse jeito, seus eleitores, que já não são muitos, vão desanimar de vez. Enquanto isso, outros vão chegando e se impondo. 

Sobe – Ex-prefeito e vereador mais votado nas duas últimas eleições municipais deverão mesmo fazer dobradinha para prefeito e vice, no pleito municipal deste ano. Pelo menos, esse foi o assunto registrado semana passada, com fotos, pelos militantes dos partidos DEM e MDB de Taquaritinga.

Desce – Um requerimento do vereador Cido Bolivar enviado ao prefeito, na sessão ordinária de segunda-feira (17), pedindo se houve reforma na praça Dona Ernesta Buscardi no fim de 2012, solicitando o custo da obra, não tem nada a ver com os dias de hoje, hein vereador?

Sobe – Muitas críticas de motoristas quanto à quantidade de semáforos instalados pelas ruas da cidade. No entanto, é necessário esse tipo de investimento em Taquaritinga, com a finalidade de coibir os mais apressadinhos em dirigir acima do permitido por lei.

Desce – O prefeito, pelo jeito, vai ter que se virar nos “trinta”. Seus apoiadores na Câmara não oferecem subsídios necessários à sua candidatura, enquanto que os adversários vão se firmando cada vez mais, abrindo um leque positivo aos eleitores em relação às candidaturas de prefeituráveis, contrários à atual administração.