Como preparar o pet para a retomada da rotina

Especialista da DogHero separou principais conselhos para readaptar o animalzinho após isolamento do COVID-19

O isolamento social devido à COVID-19 mudou o dia a dia dos pais e mães de pets que passaram a ter uma convivência maior com seus animais de estimação. Mas, com a retomada gradual da rotina, os cães e gatos podem sofrer com a separação dos tutores. Segundo a Thais Matos, veterinária da DogHero , maior empresa de serviços para pets da América Latina, o ideal é sempre condicionar o animalzinho a ser independente, mesmo com a presença do tutor. Confira as principais recomendações da especialista para a readaptação do pet.

Foto: Pixabay

Sintomas da dependência emocional dos animais de estimação

A dependência emocional em relação ao tutor não pode ser visto como um sinal de amor, pois é, na verdade, um transtorno que pode virar depressão, estresse ou a síndrome de ansiedade de separação. Assim, quando o pet está com dependência emocional relacionada ao tutor, ele irá demonstrar alguns sinais no dia a dia, como inquietude (andam de um lado para o outro), vocalização (tendem a ficar latindo, uivando incessantemente), comportamento sombra (segue o tutor por toda a casa), contato físico constante (fica pedindo colo o tempo todo ou quer deitar sempre próximo ao tutor), comportamento destrutivo (liberam toda a frustração de estarem sozinhos nos objetos da casa), fazer necessidades fora do lugar, falta de apetite e até mesmo depressão.

Segundo a veterinária todos esses sintomas podem acarretar em problemas de saúde física e mental ao pet, que deve ser acompanhado por um médico veterinário, a fim de manter o bem estar e saúde do animalzinho. “É importante que o tutor consiga lidar com essas questões, pois o comportamento de dependência não nasce com o cão, ele é desenvolvido conforme a criação e convivência com o tutor. Não é algo que será resolvido de maneira rápida, é preciso paciência e muito esforço para que o pet se torne menos dependente e não sofra com isso”, comenta a especialista.

Como fazer a readaptação dos pets de forma gradual

É importante preparar o animal para o retorno gradual da rotina para evitar que ele sinta muito o distanciamento do tutor. De acordo com a profissional da DogHero, o pai ou mãe de pet poderá retomar aos poucos a rotina que o animalzinho tinha antes do isolamento começar. O primeiro passo é começar a estimular que o pet brinque sozinho nos horários que não estiver em casa futuramente. “O tutor também deve evitar de ficar com o pet no colo ou fazendo carinho. Também deve ficar em cômodo distintos da casa durante esse tempo. Comece aos poucos, aplicando essas dicas de 1 a 2 horas por dia e conforme o pet for se adaptando, será necessário ampliar essa janela de tempo. O pet precisa deixar de ficar exclusivamente dependente do seu tutor, percebendo que ele pode se distrair com outras coisas e ficar sozinho é apenas mais uma parte da rotina”, comenta a veterinária.

Outra alternativa de adaptação é tentar fazer “saídas de teste”. Elas consistem em saídas bem curtas que servem apenas para mostrar ao pet que você vai voltar depois que sair de casa. O tutor pode começar saindo por pouco tempo e ir aumentando a pausa aos poucos, alguns minutos por dia. Mas, caso o pet esteja com dificuldades de adaptação, o tutor deve procurar um especialista em comportamento animal para auxiliar e identificar as melhores estratégias personalizadas.

Enriquecimento ambiental para entreter o pet

A melhor alternativa é realizar um enriquecimento ambiente para o pet se entreter quando estiver sozinho. Para os cães, os tutores podem usar brinquedos “recheáveis”, ou seja, colocar um alimento que o cachorro goste e ele ficará tentando “caçar” a comida. Também é possível produzir esse tipo de brinquedo em casa com uma garrafa pet. Basta tirar o rótulo, colocar o alimento dentro e fazer furinhos na embalagem. Outra opção é deixar petiscos escondidos pela casa para estimular o instinto de caça do pet e distraí-lo nessa “caça ao tesouro”. Em dias quentes, os pais ou mães podem congelar esses petiscos ou pedaços de frutas na forma de gelo, para que o cão lamba ou triture o gelo para saborear o alimento.

Para os gatos, os arranhadores são objetos indispensáveis. Existem no mercado diversos modelos e além de trazerem divertimento, causam bem-estar por desestressarem e possibilitarem que o animal consiga desgastar suas unhas. O uso de caixa de papelão como brinquedo também é uma boa opção na hora de improvisar em casa. “Outra dica para o pai ou mãe de gato é pendurar, com fios, algumas bolinhas dentro de uma caixa de papelão para que o gatinho entre e fique brincando com os objetos que estão penduradas”, comenta a veterinária da DogHero, Thais Matos.

Sobre a DogHero

A DogHero é a maior empresa de serviços para animais de estimação da América Latina. Pelo seu app e site, conecta quem tem pet a anfitriões, pet sitters, passeadores e veterinários que ajudam na rotina e cuidam dos pets quando os pais têm uma viagem, algum compromisso ou necessitam de uma consulta em casa. Atualmente, a comunidade de heróis conta com mais de 20 mil cuidadores em cerca de 930 cidades no Brasil, Argentina e México que passam por um extenso e rigoroso cadastro e recebem orientação adequada. A DogHero foi fundada em 2014 pelos empreendedores brasileiros Eduardo Baer e por Fernando Gadotti.