Algumas curiosidades sobre algumas edições do Rock in Rio

O mundialmente famoso festival de rock, o Rock in Rio chegou à sua edição 2019 no último fim de semana. O festival começou no dia 27 de Setembro e vai até o dia 6 de Outubro. Tendo sua famosa e histórica primeira edição em 1985, o evento reuniu vários fatos que talvez você não conheça ao longo de sua história.  Abaixo estão alguns fatos curiosos sobre o evento.

Confira:

Publico do evento:

O maior público do evento foi justamente o do primeiro Rock in Rio, em 1985, que aconteceu em uma área de 250.000 m² em Jacarepaguá.  Com 1,38 milhão de pessoas presenciando o evento.  O R.I.R 1, foi 3 vezes maior do que o festival Woodstock.

No dia 11 de janeiro de 1985, teve Queen, Iron Maiden, Whitesnake, Baby Consuelo e Pepeu Gomes, Erasmo Carlos e Ney Matogrosso, levando nada menos que 300 mil pessoas à Cidade do Rock, número maior que a população atual de Palmas (TO). Naquele dia, com a música Desperta, América do Sul, Ney Matogrosso inaugurou o evento.

Ao longo de sua história, o Rock in Rio já recebeu  9,5 milhões de pessoas.

Alguns números do evento:

Em toda a história do Rock in Rio, já foram escalados para se apresentar mais de 2 mil artistas e  foram gerados  mais de 212 mil empregos.

Rock in Rio mundo a fora:

Até 2004 o evento era somente feito no Rio de Janeiro, depois desse ano o festival aconteceu em cidades como Lisboa, Madrid, Las Vegas e Dusseldorf.

A edição de 2015, em Las Vegas, teve o menor público da história do evento, de 172.000 pessoas, distribuídas pelos 4 dias de festival (média de 43.000 por dia). Já edição de 2001, por sua vez, que ocorreu no Rio de Janeiro, levou 1,235 milhão de pessoas em 7 dias, com média diária de 176.430, maior que o público total de Las Vegas.

Exigências absurdas:

Na primeira edição do evento, Freddie Mercury exigiu que o corredor até seu camarim estivesse totalmente livre. A medida determinava que os demais artistas, sobretudo os brasileiros, ficassem longe do seu campo de visão. Mercury também gostava de ter seu saquê na exata temperatura de 20 graus.

No Rock in Rio II, em 1991, o cantor Prince pediu um camarim todo na cor púrpura. Para resolver o problema, a organização acendeu dezenas de velas vermelhas de sete dias. O astro também exigiu um corredor polonês, entre camarim e o palco, formado por 70 seguranças, o pedido foi que na hora que pisasse no Maracanã, todos deveriam virar de costas para ele.

Também no R.I.R II, o  Guns N’ Roses fez uma série de exigências, a banda determinou que a banda inglesa Poison não tocasse no evento.

Por essas e outras o festival entrou para a história do mundo da música e principalmente pra história do rock mundial.