Olho vivo: entenda a importância de cuidar da saúde ocular

Algumas doenças são mais comuns e outras, mais graves, podem comprometer a visão e até colocar em risco a vida da pessoa.

Um dos órgãos mais sensíveis do corpo, o globo ocular pode ser facilmente prejudicado por diversas doenças. No Verão, algumas delas se tornam mais frequentes, potencializadas pelos raios solares mais fortes, exigindo cuidado e proteção maior.

Algumas doenças são mais comuns e ocorrem com certa frequência. Outras, mais graves, podem comprometer os olhos e até colocar a vida da pessoa em risco. As mais comuns são conjuntivite, terçol (ou hordéolo) e calázio.

Já a catarata e a degeneração macular atingem principalmente as pessoas idosas. A primeira pode ser revertida com cirurgia. No caso da degeneração macular, se tratada rapidamente, a visão pode ser corrigida.

“Eu já tive conjuntivite três vezes. É uma sensação de areia nos olhos que incomoda muito. Fui ao médico e tive que usar remédios, ficar em casa porque era viral. É muito importante seguir as orientações pois mesmo algo simples pode ficar perigoso”, conta a secretária Dafne Fedoce.

Outra doença agravada pelos raios ultravioletas é o pterígio, que se manifesta na forma de um tecido que cresce próximo da córnea e pode requerer tratamento cirúrgico ou uso de lubrificantes específicos. A doença mais perigosa para os adultos, porém, é o glaucoma, que precisa ser detectado o quanto antes.

Nas crianças, é importante a realização de exames oculares até o primeiro ano de idade para a prevenção do retinoblastoma, um tipo de câncer que precisa ser tratado até os três anos de idade, caso contrário pode até levar ao óbito.

O estrabismo precisa ser corrigido até os oito anos de idade. O tratamento consiste em cobrir o olho saudável para forçar a visão do olho prejudicado. Depois dessa idade, a correção é praticamente impossível.

A auxiliar contábil Tatiane Silva explica que sempre leva a filha para consultas regulares. “Sempre tive medo de, por ser muito pequena, ela não contasse se algo estivesse incomodando. A rotina do médico com os olhos deve ser cumprida por todos”, alerta.

As mais frequentes

Existem vários tipos de conjuntivites. De acordo com o oftalmologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Marcos Guerra, as mais comuns são as de origem infecciosa e alérgica. “A conjuntivite é uma inflamação na conjuntiva, que é uma membrana que cobre boa parte dos olhos, sobre a parte branca e sobre as pálpebras”, explica.

A incidência da conjuntivite alérgica é mais frequente na primavera, mas como no Brasil as estações muitas vezes se misturam, a maior parte dos casos ocorre no Verão.

Outra variação é a conjuntivite primaveril, que leva esse nome porque nessa época do ano é comum a entrada de pólen nos olhos. Mas ela pode ocorrer devido a qualquer corpo estranho que penetre nos olhos, em ambientes como obras da construção civil, por exemplo.

O terçol, ou hordéolo, pode se manifestar de forma interna ou externa. É mais frequente em pessoas de pele oleosa, e a causa é uma infecção dos cílios provocada por uma bactéria.

Calázio é parecido com o terçol. Sua causa é a inflamação de uma glândula responsável pela produção da secreção sebácea que lubrifica o olho, e deve ser tratada com a ajuda de um médico geral ou oftalmologista.

Exigem cuidados

O terçol, calázio, o pterígio e a conjuntivite alérgica não são doenças contagiosas. O tratamento deve ser feito com a ajuda do oftalmologista. No caso específico do terçol, o oftalmologista do Ambulatório Médico de Especialidades – AME Barradas, Francisco Penteado Crestana, recomenda higienizar e limpar as pálpebras com a ajuda de um produto específico.

“No caso da conjuntivite infeciosa, o perigo é o contágio de outras pessoas. Evite compartilhar toalhas de rosto e travesseiros e procure sempre lavar as mãos com álcool, líquido ou gel”, afirma. A catarata é mais comum nas pessoas da terceira idade e requer tratamento cirúrgico. Em todas as situações, no entanto, é necessário procurar um clínico geral ou um oftalmologista.

Atenção redobrada

O glaucoma é uma doença que afeta o nervo ótico e causa a perda de pressão intraocular. É uma doença silenciosa, que não apresenta sintomas, e atinge principalmente pessoas com mais de 40 anos. Por isso, é importante consultar um oftalmologista com frequência.

A degeneração macular afeta as pessoas de mais idade e o sintoma é a visão distorcida. Nesse caso, a pessoa deve procura ajuda médica o mais rápido possível, pois a visão pode ser corrigida se for tratada cedo.

A visita regular ao oftalmologista, pelo menos uma vez ao ano, é essencial para a prevenção de doenças como o glaucoma e a degeneração macular, principalmente a partir dos 40 anos de idade, assim como da catarata para as pessoas de mais idade.

Do Portal do Governo